capa_CG-ebook1

International Steering Team

Os cidadãos brasileiros estão conectados com o mundo pelos meios de comunicação e principalmente pela internet. Para assegurar a sustentabilidade ambiental, social e econômica de ações e decisões locais, eles cada vez mais as articulam a acçõs planetárias, aumentando seu impacto. Pouco a pouco, escolas estão se dando conta de que formar cidadãos é sinônimo de preparar crianças e jovens para pensar globalmente, agindo localmente.

Agora o Brasil conta com mais uma ferramenta para ajudar os educadores nessa tarefa. Em colaboração com 31 professores de escolas públicas e particulares do município e do Estado de São Paulo, e com apoio de Secretaria de Estado de Educação, Secretaria Municipal de Educação, Colégio Bandeirantes, Fundação Roberto Marinho, Instituto Paulo Freire e Instituto Politeia, o CECIP acaba de lançar, nos formatos impresso e digital, um manual onde se descreve a abordagem da Educação Global.

Trata-se de uma abordagem ainda pouco conhecida no Brasil, que ressalta a dimensão planetária da Educação para a Cidadania. Segundo a Declaração de Maastrich (1992), Educação Global é aquela que abre os olhos e as mentes das pessoas para as realidades do mundo globalizado, despertando-as para construir um mundo de maior equidade e direitos humanos para todos. Um mundo que pode ser transformado a partir de cada família, escola e comunidade.

O Manual do Currículo Global: Formando cidadãos planetários em escolas brasileiras é um produto do Projeto Currículo Global (2010-2012), financiado pela União Europeia e do qual participaram, além do Brasil, ONGs e escolas a Áustria, do Benin (país africano do qual vieram os ancestrais de milhares de brasileiros), da República Tcheca e do Reino Unido. Ele traz sugestões de 27 sequências didáticas, elaboradas por educadores de 40 escolas, seis delas brasileiras. Elas podem ser recriadas e aplicadas junto a turmas de Ensino Fundamental e Médio, envolvendo diversas disciplinas — como História, Geografia, Português, Matemática, Ciências, Artes e Educação Física, articulando o conteúdo programático a conceitos como Justiça Social, Diversidade, Resolução de Conflitos, Interdependência, Sustentabilidade e Cidadania Global.

Você pode baixar o Manual do Currículo Global clicando  aqui

Junho 4, 2013, 14:52:51

News

Gestores de São Mateus discutem Educação Global

A Oficina coordenada pelo CECIP reuniu cerca de 40 gestores da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo

No dia 2 de outubro de 2014, gestores de escolas de Ensino Fundamental e centros de Educação Infantil da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo puderam construir uma visão geral dos fundamentos da proposta de Educação para a Cidadania Global e da forma como pode ser implementada . A Oficina foi coordenada pela professora Madza Ednir , organizadora do Manual do Curículo Global, responsável pelo núcleo de Educação Global do CECIP , a convite da supervisora Denise Costa Aguiar. A atividade contou com a participação da facilitadora e avaliadora do projeto Currículo Global , Priscila Scripnic, e da professora Debora Maria Macedo, uma das co-autoras do manual do Currículo Global e do video que sintetiza o projeto.

Oficina de Educação Global para Educadores paulistanos

Estrategias usadas no Currículo Global serão experimentadas

A Oficina ocorrerá no dia 2 de Outubro de 2014, envolvendo 100 gestores de escolas municipais.... Estratégias para desenvolvimento do pensamento critico, da empatia e da solidariedade farão parte das atividades a serem desenvolvidas., mobilizando-e as múltiplas inteligências dos participantes . Na imagem ao lado , educadores que participam do World Class Teacher Project/ Professor na sala de Aula Global), conduzido pela Ong polonesa CEO, Center of Education for Citizenship , estão envolvidos em atividade de uma oficina conduzida pelo CECIP em Raach, Austria. O tema da Oficina foi "Paulo Freire no Brasil, hoje". O Teatro do Oprimido, (Boal baseado em Paulo Freire) , é usado também na Polônia, como forma de incentivar a construção de novos cenários e pensar a transição entre uma situação presente e o futuro desejado.

Uma criança escreve sobre o Projeto Currículo Global

Davi de Vita de Carvalho, 11 anos , estuda na escola Teia Multicultural e diz o que pensa sobre o Projeto que se encerra em dezembro de 2012, em redação premiada pelo Concurso Cidadão Global

“ O Currículo Global é um projeto que trata do trabalho de educar as crianças para que possam respeitar as diferentes culturas, religiões e etnias. A ideia de melhorar a educação para que as pessoas possam viver em um mundo mais justo é o que traz a discussão dentro desse projeto. (..) Uma coisa que me chamou bastante a atenção foi sobre a liberdade. Hoje as coisas melhoraram muito, mas para isso as pessoas tiveram de lutar por seus direitos , como na época da ditadura e outros conflitos em outros países. (..)

Sustentabilidade com dimensão global na Feira de Ciências do Colégio Bandeirantes

Centenas de pessoas , inclusive duas representantes das outras escolas do Projeto Currículo Global , foram ver os trabalhos realizados pelos estudantes do Colégio

Rafael Braga Silva, 16 anos, do Band, assim descreve o que sentiu a respeito da participação dos estudantes, protagonistas da Feira : “Noites mal dormidas, pesquisas longas e muito trabalho. Mas tudo isso para um bem maior: fazer um bom trabalho e procurar uma alternativa para os tipos de energia que existem atualmente”. Enzo Pereira e Guilherme Carvalh

Nós Somos Malala

Solidariedade internacional a adolescente vítima de discriminação por ser menina e querer estudar

Educadores do Projeto Currículo Global sensibilizaram-se com a história da menina paquistanesa Malala Yousafzai, de 14 anos, que quase perdeu a vida por liderar campanha por um direito que crianças e jovens brasileiros tem como garantido: ir à escola. Independente de sexo, etnia, situação econômica ou religião.

Ce projet est mené avec l’appui de l’Union Européenne. Les contenus de celui-ci sont la seule responsabilité des organisations de mise en œuvre et ne peuvent en aucun cas être considérés comme reflétant l’opinion de l’Union Européenne.

supported by